Edifício Voga – novo!

PROJETO

Brasília-DF, 2019

Edifício de uso misto em Taguatinga, 2019. Este tipo de imóvel, conhecido no local como “casa comercial”, pode combinar uso residencial (casa) com uso comercial. Normalmente, os lotes similares nas esquinas do bairro distribuem a área construída em andares-tipo, o que acaba por criar grandes paredes voltadas para a rua local e para as entradas das casas adjacentes. Por isso, propusemos distribuir o programa em pisos com áreas diferentes entre si. Desta forma, a área comercial pode ser acomodada no andar que tenha o tamanho compatível ao seu uso e o edifício passa a ter uma altura compatível com as casas ao redor quando visto desde a rua secundária. Para isso, o projeto tira partido da altura máxima permitida, posicionando-a no ponto mais interno ao lote de modo que sua maior altura esteja voltada para a avenida principal (onde os edifícios altos tendem a estar localizados) e para os fundos dos vizinhos.

A construção é dividida em duas torres e um subsolo. A torre construída em estrutura metálica acomoda o programa principal, possui pilares perimetrais, vãos internos livres e grande flexibilidade de ocupação. A torre de circulação e subsolo serão construídos em alvenaria estrutural aparente. A escolha das técnicas construtivas tem relação com o objetivo de combinar maior rapidez de construção com os custos de obra estabelecidos inicialmente.

Os terraços descobertos e arborizados ficam voltados majoritariamente para o sudoeste e servem como continuidade dos pavimentos internos. A fachada nordeste, voltada para a avenida principal, tem suas esquadrias de vidro transparente recuadas e protegidas da insolação excessiva por uma malha metálica vazada que preserva a vista para o exterior e permite a ventilação natural cruzada. O contato visual dos terraços com a rua e dos pisos internos com a avenida poderão contribuir com o efeito de “vigilância natural”, aumentando a sensação de segurança nos arredores e dentro da própria edificação.

Autores:
Daniel Mangabeira, Henrique Coutinho, Matheus Seco
Coordenação: Giovanni Cristofaro
Equipe: Victor Machado e Julia Huff
Superfície Construída: 680m2
Projeto: 2018-2019
Projeto de Estrutura: Vista Engenharia
Instalações: Grid Engenharia
Imagens: Bloco Arquitetos

Projeto Voga

Projeto VogaProjeto Voga

 

Projeto Voga

Edifício Voga – novo!

PROJETO

Brasília-DF, 2019

Edifício de uso misto em Taguatinga, 2019. Este tipo de imóvel, conhecido no local como “casa comercial”, pode combinar uso residencial (casa) com uso comercial. Normalmente, os lotes similares nas esquinas do bairro distribuem a área construída em andares-tipo, o que acaba por criar grandes paredes voltadas para a rua local e para as entradas das casas adjacentes. Por isso, propusemos distribuir o programa em pisos com áreas diferentes entre si. Desta forma, a área comercial pode ser acomodada no andar que tenha o tamanho compatível ao seu uso e o edifício passa a ter uma altura compatível com as casas ao redor quando visto desde a rua secundária. Para isso, o projeto tira partido da altura máxima permitida, posicionando-a no ponto mais interno ao lote de modo que sua maior altura esteja voltada para a avenida principal (onde os edifícios altos tendem a estar localizados) e para os fundos dos vizinhos.

A construção é dividida em duas torres e um subsolo. A torre construída em estrutura metálica acomoda o programa principal, possui pilares perimetrais, vãos internos livres e grande flexibilidade de ocupação. A torre de circulação e subsolo serão construídos em alvenaria estrutural aparente. A escolha das técnicas construtivas tem relação com o objetivo de combinar maior rapidez de construção com os custos de obra estabelecidos inicialmente.

Os terraços descobertos e arborizados ficam voltados majoritariamente para o sudoeste e servem como continuidade dos pavimentos internos. A fachada nordeste, voltada para a avenida principal, tem suas esquadrias de vidro transparente recuadas e protegidas da insolação excessiva por uma malha metálica vazada que preserva a vista para o exterior e permite a ventilação natural cruzada. O contato visual dos terraços com a rua e dos pisos internos com a avenida poderão contribuir com o efeito de “vigilância natural”, aumentando a sensação de segurança nos arredores e dentro da própria edificação.

Autores:
Daniel Mangabeira, Henrique Coutinho, Matheus Seco
Coordenação: Giovanni Cristofaro
Equipe: Victor Machado e Julia Huff
Superfície Construída: 680m2
Projeto: 2018-2019
Projeto de Estrutura: Vista Engenharia
Instalações: Grid Engenharia
Imagens: Bloco Arquitetos

Seta