Apartamento 107N

CONSTRUÍDO

BRASÍLIA-DF, 2015

O Bloco I da Super Quadra Norte 107, onde fica o apartamento, foi projetado em 1966 pela arquiteta Mayumi Watanabe, que trabalhou com nomes como Vilanova Artigas, Joaquim Guedes e Lina Bo Bardi. A estrutura de concreto aparente em suas paredes perimetrais era a característica mais interessante do edifício, permitindo grande liberdade na disposição das paredes em seu núcleo. O projeto buscou recuperar algumas características originais do apartamento, ressaltando a liberdade de organização interna que o edifício permite.

As paredes em concreto, antes cobertas por diversas camadas de tinta e reboco, foram lixadas até revelarem sua superfície original. Nos interessava deixar aparente os vestígios do processo de “redescoberta” do concreto aparente e as imperfeições de sua execução original. Integramos a sala, cozinha e área de serviço em um só espaço sem portas. A diferença entre eles se dá através da diferença de pintura, piso ou cores do mobiliário. A grande estante que atravessa sala e a cozinha funciona como um organizador geral que separa as áreas sociais e íntimas. O lavabo fica escondido atrás de uma porta-painel ao lado da cozinha. Um grande sofá modular possibilita a utilização da sala em diversas possibilidades de organização em pequenos ambientes ou em um só espaço.

Autores: Daniel Mangabeira, Henrique Coutinho, Matheus Seco
Colaboração: Guilherme Mahana, Luciana Ribeiro, Tatiana Lopes
Superfície Construída: 125m2
Projeto: 2015
Construção: 2015-2016
Obra: Bruno Goldenberg
Fotos: Haruo Mikami

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Foto Apartamento 107n

Apartamento 107N

CONSTRUÍDO

BRASÍLIA-DF, 2015

O Bloco I da Super Quadra Norte 107, onde fica o apartamento, foi projetado em 1966 pela arquiteta Mayumi Watanabe, que trabalhou com nomes como Vilanova Artigas, Joaquim Guedes e Lina Bo Bardi. A estrutura de concreto aparente em suas paredes perimetrais era a característica mais interessante do edifício, permitindo grande liberdade na disposição das paredes em seu núcleo. O projeto buscou recuperar algumas características originais do apartamento, ressaltando a liberdade de organização interna que o edifício permite.

As paredes em concreto, antes cobertas por diversas camadas de tinta e reboco, foram lixadas até revelarem sua superfície original. Nos interessava deixar aparente os vestígios do processo de “redescoberta” do concreto aparente e as imperfeições de sua execução original. Integramos a sala, cozinha e área de serviço em um só espaço sem portas. A diferença entre eles se dá através da diferença de pintura, piso ou cores do mobiliário. A grande estante que atravessa sala e a cozinha funciona como um organizador geral que separa as áreas sociais e íntimas. O lavabo fica escondido atrás de uma porta-painel ao lado da cozinha. Um grande sofá modular possibilita a utilização da sala em diversas possibilidades de organização em pequenos ambientes ou em um só espaço.

Autores: Daniel Mangabeira, Henrique Coutinho, Matheus Seco
Colaboração: Guilherme Mahana, Luciana Ribeiro, Tatiana Lopes
Superfície Construída: 125m2
Projeto: 2015
Construção: 2015-2016
Obra: Bruno Goldenberg
Fotos: Haruo Mikami

Seta